ENTREVISTAS AQUAFLUX
Entrevista com Bruno Isaías


Aquaflux: Quando surgiu o interesse pelos Jumbos ?, é dificil e ou complicado a manutenção desse tipo de peixes?
Bruno Isaías: Na verdade não surgiu interesse por "jumbos" e sim por "primitivos". Vendo alguns vídeos no youtube me deparei com um tanque cheio de lepisosteus ... fiquei impressionado com a diferença da aparência do peixe para os "convencionais". Fui pesquisar mais a fundo e descobri as espécies de polypterus e aí passei a me interessar por este tipo de montagem. Na verdade os peixes jumbos (inclusive grandes ciclídeos) são comuns em montagens deste tipo para dar mais movimento, cor e, logico, não serem comidos por predadores. A manutenção deles é como qualquer outra mas como alguns desses primitivos respiram ar atmosférico também, são extremamente resistentes a parâmetros errados, sendo que o GAR vive até em águas poluídas. Claro que no aquário sempre temos que manter a melhor qualidade possível mas acredito ser mais "fácil" cuidar de um polypterus do que de um camarão ornamental.

Aquaflux: Na classe jumbo existe algum que você queria ter e não tem, porque?
Bruno Isaías: Gostaria muito de ter um polypterus bichir bichir (o bichir do Nilo) mas não vieram ainda para o Brasil ... dos possíveis gostaria de um aruanã negro (O. ferreirai). Seria o aruanã ideal para meu aquário que não é dos melhores para abrigar um prata (muito maior) e a agressividade do australiano não deu certo. O problema é que quando você tem um aquário já montado com peixes já crescidos, ou se tem "aquário de engorda" ou se compra o animal já grande ... e está difícil achar uma aruanã negra.

Mas o sonho de 100% dos jumbistas é o aruanã asiático super red ... raro de encontrar aqui e custa o mesmo que uma moderna TV de 50 polegadas.


Aquaflux:
 Qual seria, na sua opinião, o "aquário dos sonhos"? Quais seriam as espécies escolhidas para compôr a fauna desse aquário e por quê?
Bruno Isaías: Um aquário interativo, com possibilidade de entrada "humana" ... coisa de 4 metros de comprimento, dois de largura e quase dois de altura ... teria que ser em casa, jamais em apartamento ... as espécies seria as de jumbos amazônicos, como tucunarés, pirarucus, pirararas, tambaquis etc.

Aquaflux: Há uma grande polêmica a respeito da utilização de alimentos vivos como Kinguios, pequenas carpas e ratos para peixes carnívoros de grande porte. Qual a sua opinião a respeito?
Bruno Isaías: Nenhum peixe precisa comer rato ... além de sujar o aquário demais é um risco danado para alguns peixes que abocanham primeiro e depois verificam se dá pra engolir. Quanto a kinguios e carpas não sou contra mas apenas enquanto os peixes não se acostumam com ração (basicamente todos eles se acostumam).


Aquaflux: Quanto tempo demorou o curso de homem bomba? Onde e quando você vai explodir?
Bruno Isaías: É rápido o curso ... se você sabe afivelar um cinto está pronto ... sobre "quando e onde" não posso responder ... é a primeira regra do homem bomba (jamais revele onde e quando será feito o trabalho de Alah ...) ... aliás acho que é a única regra ... depois é só curtir as virgens, kkkk


Aquaflux:
 Hamas, Hezbollah, Fatah ou Al-Qaeda?
Bruno Isaías: HEZBOLLAH !


Aquaflux:
 Já teve algum problema com seus peixes em alguma manutenção, ou o contato é quase 0?
Bruno Isaías: Quando faço uma manutenção mais "pesada", retirando pedras, eles se estressam bastante ... um jumbo de 50 cm estressado pode te dar um belo banho mas não tive qualquer problema maior até hoje.

Aquaflux: Quando você iniciou nessa classe do hobby, você tinha alguma noção, ou adquiriu com o tempo?
Bruno Isaías: Como disse antes aquário é sempre aquário ... o princípio é sempre o mesmo ... no caso dos jumbos é importante pesquisar as espécies porque na maioria dos casos o aquário não é temático nem biótopo ... é um comunitário de "gente grande" e as "personalidades" de cada um e tamanhos máximos devem ser observadas. Algumas espécies de polypterus, por exemplo, crescem muito mais que outras, a ponto de eu ter ficado com receio do recém introduzido ser abocanhado pelo antigo (os tamanhos eram 20 cm. X 6 cm)e atualmente tenho receio do "novato" abocanhar o antigo (os tamanhos agora são 20 cm. x 38 cm).


Aquaflux: Tem alguma dieta especifica, tratamento contra vermes, ou algo do tipo?
Bruno Isaías: Atualmente todos comem ração de jumbos/carnívoros, mas tenho dois tipos ... flutuante para os lepisosteus e o faca e de fundo para os polypterus.

Primitivos não adoecem quase nunca ... e é recomendado não usar medicamentos na água ou usar em dose menor ... o máximo que tive aqui foi uma nadadeira arrancada no talo de um polypterus senegalus (cresceu de novo, e rápido) e um ou outro machucado que geralmente fica bom muito mais rápido que qualquer outro peixe ... eles estão aqui nesta forma há mais de cem milhões de anos ... não se perpetua uma espécie assim sendo "frágil" hehehe.

Aquaflux: Sobre peixes que sofrem cruzamentos seletivos, qual sua opinião a respeito? Tanto os que ficam coloridos sobre os que sofrem mutações físicas?
Bruno Isaías: Opa, os casos mais comuns aqui são o flowerhorn e o papagaio, respectivamente. Quanto ao flowerhorn embora muitos façam julgamentos, condenações etc. pra mim o FH nada mais é do que um citrinelum ligeiramente modificado ... da mesma forma que não vemos citrineluns azuis ou com padrão multicolorido na natureza também jamais acharemos acarás discos red marlboro ou blue diamond num igarapé. O kinguio vermelho não existe na natureza e hoje se reproduz nos nossos lares, aquários ou lagos. Se a natureza permite a reprodução, não acho que estamos criando aberrações de forma alguma ... o Papagaio é um pouco diferente porque se trata de peixe com algumas diferenças no formato dos seus parentes ... enquanto não dá pra diferenciar um Flowerhorn de cor sólida de um citrinelum o papagaio é papagaio e pronto, não será confundido com outro peixe naturalmente criado. Minha opinião é que eles estão aí ... se estão aí nossa tarefa não é matá-los ou torcer o nariz pra eles ... são animais, estão vivos, merecem respeito e cuidados como qualquer outra espécie "politicamente correta". Claro que sou contra tingimento, piercing de peixes e outros procedimentos cruéis ... mas a mera reprodução de diferentes espécies não sou contra, desde que se tenha a responsabilidade de jamais introduzi-las na natureza, ou seja, nós criamos, nós cuidamos ... devemos assim deixar Deus ou a Natureza, como manda a crença de cada um, fora dessa equação.


Aquaflux: Sobre cruzamentos de diferentes espécies, o que acha? Já o fez ou adquiriu um peixe assim?
Bruno Isaías: Já tentei reproduzir um flowerhorn azul com uma papagaia ... me faltou paciência, hehehe, e atualmente o peixe foi emprestado a um amigo criador que tem baterias de reprodução caseiras ... só me interessei por isso mesmo porque consegui um exemplar de FH thai silk, muito raro aqui no Brasil e só recebemos exemplares machos. Normalmente o FH é dominante e os filhotes de FH x papagaio serão flowerhorns "quase" puros.


Aquaflux: Seu contato com seus jumbos é mais "próximo" do que quando tinha peixes pequenos, comuns? Eles te reconhecem? Gostam de comer na sua mão?
Bruno Isaías: Eu não diria "peixes pequenos". Meus discos são todos maiores que alguns polypterus do aquário de primitivos. Tenho um blue diamond de cinco anos que não faria feio num aqua de jumbos, hehehe. Mas a interação com alguns peixes é bem interessante ... os lepisosteus, por exemplo, reconhecem a hora da comida, seguem seu dedo pelo aquário e tudo, mas comer na mão é levemente arriscado porque eles não pegam a ração gentilmente e sim dão verdadeiros "botes" rápidos ... se o dedo estiver muito perto prepare um band-aid, hehehe.

Aquaflux: Qual seu jumbo mais antigo? Em algum momento já se sentiu intimidado, nem que por pouco tempo, em mexer no aquário quando um possível casal se formou? Afinal alguns jumbos podem machucar bastante e acidentes acontecem...
Bruno Isaías: O mais antigo é inofensivo, embora não seja propriamente "jumbo" ... um senegalus que chegou aqui em junho de 2009 e não passou de 20 cm. Chegou a formar um casal de FH com papagaia sem desova ... eles bagunçavam bastante o aquário e foi quando comecei a perceber que alguns ciclídeos grandes não deixam você manter um layout mais ou menos arrumado. Mas intimidação mesmo acontece sim ... canso de segurar uma esponja para evitar a mordida de um lepisosteus afobado ... quando tinha a aruanã tinha também que usar a técnica para não ser mordido, mas uma vez que a mão esteja inteira dentro do aquário eles respeitam você, hehehe.


Aquaflux: Bruno, no meios dos peixes grandes, fortes e resistentes, como é lidar com os coloridos e relativamente frágeis Discos? Um complementa o outro, que falta em rusticidade dos Discos é compensado nos Jumbos e o que falta de cor nos jumbos é compensado pelos discos? Quem veio primeiro?
Bruno Isaías: Esta pergunta responde também o porquê de não me interessar tanto por marinhos (embora tenha tido este tipo de montagem logo no início do "boom", entre 1980 e 1990). Um aquário marinho é bem parecido com outro em termos de exigência de PH, densidade, animais etc ... os aquários de água doce não ... são CAs com seu PH altíssimo, cubos de camarões, baterias de killies, temáticos e biótopos amazônicos ou orientais, jumbos, primitivos, kinguios etc ... é muito mais diversificado ... cada montagem tem sua própria beleza e estilo. Quem veio primeiro foi o disco ! Foi pesquisando e vendo aquários deste tipo, no fim de 2007, que me fez desmontar um marinho e voltar à água doce. São montagens bem diferentes mesmo. Costumo dizer que o aquário de discos agrada tanto os praticantes do hobby quanto os não praticantes ... os primitivos já não fazem tanto sucesso assim com não praticantes ... não tem as belas cores exuberantes mas compensam com o visual altamente exótico e diferente ... quem vê as "cobras e jacarés" aqui sempre tem uma reação ... ou "que bicho feio, que medo!" ou "que bichos diferentes".

Aquaflux: Carioca, advogado e de esquerda !!! Como foi cair no aquarismo?
Bruno Isaías: Bom, nasci aqui mesmo na cidade maravilhosa onde as pessoas vão à praia todo dia e batem papo diariamente com os atores e atrizes das novelas, desviam de balas de fuzil, jamais negam informações a turistas, ficam amigos de infância de todo mundo em cinco minutos e comem potes e mais potes de açaí ... hehehe , na verdade não tem quase nada disso aqui ... é o mesmo que dizer que paulistas vão ao aeroporto assistir partidas e chegadas de avião como lazer de domingo ou que curitibanos saem correndo se abordados com algum pedido de informação ou contato visual que seja ... o que realmente é verdade é que alguns turistas - especialmente ingleses ou nórdicos - ao tomarem caipirinha no calor de quarenta graus olhando mulatas na praia de Copacabana não voltam para seus países e ficam por aqui o resto da vida vagabundeando ...

Advogado e de esquerda vem de família de advogados de esquerda e torcedores do Fluminense ... seria impossível pela minha criação virar engenheiro, votar no PSDB e torcer pelo Flamengo ... hehehe

Quase toda criança, especialmente as que moram em apartamento, querem um animal de estimação ... quase todas também acabam tendo um aquário. Algumas crescem e passam a se interessar por outras coisas e outras jamais largam os aquários e se transformam nesses adultos que estão agora lendo a entrevista. Eu não entendo a graça de colecionar selos como tem gente que não entende a graça de manter aquários ... o que eu sei é que desde que ganhei um aquário em forma de cubo, meio fosco, com um beijador e um tricogaster azul ... no final dos anos 70, jamais parei ... passando pelos aquários de poecilídeos cujo fim era sempre a morte no tapete do quarto ... pelos vinte japoneses em vinte e poucos litros ... fui adquirindo experiências e com cerca de quatorze ou quinze anos veio o fascínio pelos marinhos - iniciando na época, que não tinha nem bomba submersa. A partir daí a coisa foi evoluindo bastante, e o legal do hobby é que sempre estamos aprendendo e a tecnologia sempre evoluindo.


Aquaflux: Você uma vez pegou um teco de Bonsai e pendurou uns nacos de musgos nele, para onde foi este Aquário?
Bruno Isaías: Ah ... a primeira experiência com plantados, hehehe ... vendo alguns belos plantadinhos resolvi um dia fazer um. Sempre achei perigoso usar CO2 no aqua de discos e iluminação demais ... então para ter a experiência fiz num pequeno cubo uma iniciação aos plantados ... o bonsai eu já tinha ... mas por minha total incompetência de cuidar de bonsais a planta morreu, mas resolvi "reencarná-lo" em forma submersa ... depois disso cheguei a ter um plantado maior com CO2 e tudo, que ficou montado um ano ... fez até um certo sucesso pela fauna albina, mas depois cheguei a conclusão que não era a minha "praia", embora seja um dos tipos de montagem que mais admiro e que mais fazem o hobby crescer. O aquário "cubo" está desmontado agora, serve de hospital vez ou outra mas será montado assim que a patroa bobear e não estiver prestando atenção, hehehe.

Aquaflux: Você tem vários aquários em casa, qual é negociação com a patroa e como fica a manutenção dessa galera toda?
Bruno Isaías: Atualmente tenho três - discos (325 litros), jumbos (460 litros) e o de CAs (240 litros). A patroa gosta bastante dos discos, acha os primitivos horríveis e meio que gosta dos CAs mas não dá o braço a torcer pelo uso do espaço que o aquário 03 ocupa, hehehe. A manutenção não é complicada mas o que mais ouço de visitantes e amigos não participantes do hobby é "nossa, você deve ter um trabalhão pra lavar isso tudo, tirar a areia, os peixes etc. etc.", coisa que todos vocês já devem ter ouvido também. A manutenção depois que a gente se acostuma não me faz gastar mais do que umas cinco horas por semana.


Aquaflux: Já falando da manutenção, fale um pouco de como é sua rotina de TPA´s, alimentação etc...
Bruno Isaías: Atualmente procuro fazer TPAs de quinze em quinze dias. No verão tenho uma facilidade maior porque uso a mangueira diretamente da torneira no aquário dos CAs, não precisando estocar água ... com o "sino" de um sistema de CO2 coloco o perlon, anticloro e um buffer e encho a água que retirei do aquário ... é o que menos manutenção precisa e o mais rápido de trabalhar. O de jumbos não me dá tanta preocupação porque não dá "sustos". Todos os peixes atualmente são indiferentes a picos de amônia ou mudanças de PH ... embora os parâmetros estejam sempre bons, as medições são mais espaçadas que nos outros dois. Uma coisa que noto é que o uso de sump facilita bastante as manutenções, usando este sistema no aqua de discos e de jumbos. O aquário dos CAs não é furado então uso filtros externos e um canister (é, estou aos poucos fazendo as pazes com o canister).

A alimentação dos três é que dispensa uma meia hora ... especialmente para alimentar os discos, já que diariamente dou bloodworms congelados e ração ... a ração tem que ser previamente molhada para afundar, se não vai muita coisa para o sump.

Os primitivos é só na ração mesmo, de fundo e superfície ... os CAs comem ração de flocos de spirulina, artêmia seca e qualquer outra ração ... como não tem sump lá é só jogar seca mesmo que eles vão comendo na superfície, no meio e no fundo. Uma vez por semana compro artêmias vivas para os discos e frontosas ... no aqua de jumbos é desperdício porque eles nem tomam conhecimento que as artêmias existem ... artêmia de jumbo é kinguio, kkkkkk ... mas o canibalismo aqui acabou assim que os últimos que não comiam ração passaram a comer.


Aquaflux: Existe alguma montagem que você ainda não teve? Qual e porque?
Bruno Isaías: Sempre quis ter uma montagem "brackish" com mudskipers mas são peixes raros demais ... e acaba precisando ser um aquário muito grande por causa da parte emersa ... mas são interessantíssimos.

Aquaflux: Quando o verão do Rio chega aos 40 graus o quais cartas tu tem na "manga" para teus aquários não se transformarem em caldeirão de peixe cozido?
Bruno Isaías: Todos os aquas aqui tem coolers ... o de discos e de ciclídeos são mais fáceis de resfriar porque são "abertos" ... mas o de jumbos precisa ser bem vedado, então os coolers são no sump ... em épocas brabas a temperatura chega a 32 mesmo com tudo ligado ... no de CAs e Discos consigo manter em 28 numa boa.


Aquaflux: Qual foi a compensação mais curiosa que você teve que dar a Patrôa para montar um novo aquário?
Bruno Isaías: Nada complicado ... o último foi um sofá ...


Aquaflux: Lembro de um tópico que tu criou quando se mudou e relatou a saga com os aquários. Tiveram partes trágicas e outras cômicas, mas e se precisasse mudar de casa novamente o que faria diferente? Porque?
Bruno Isaías: Hoje tenho mais amizades em lojas ... acho que deixaria os peixes lá e remontaria tudo, ciclando e tudo ... daria muito menos trabalho, mas na época era só um, hehehe, agora são três !


Aquaflux: Você pôde comprovar que eu (Júlio) não sou cabeção como o Burga adoooooga me chamar, tem como criar um argumento jurídico para convencer o Roy Nelson(Burga) do contrário?
Bruno Isaías: É impossível juridicamente fazer o Burga não zoar alguém (talvez se você virar policial e ameaçar prendê-lo dê certo) ... mas eu atesto que a cabeça do Júlio é normal, kkkkk, se precisar registro a declaração em cartório.

Aquaflux: O que falta para você transformar sua piscina em um lago para primitivos?
Respondido pela dona Rachel : "O divórcio", kkkkkk


Aquaflux: Sua esposa curte o aquarismo? Ela te ajuda nas manutenções dos aquários?
Bruno Isaías: Na manutenção não mas ela fez ótimos acabamentos nas portas do aquário de discos, ficou profissional ! E ela cola o papel contact como ninguém!


Aquaflux: Já teve que se utilizar da desculpa que ganhou um peixe ou que comprou ele "bem baratinho"?
Bruno Isaías: Não, todos os meus peixes, até os caríssimos, custam só R$ 10,00 (e ela finge que acredita para não causar confusão)

Aquaflux: Bruno, notamos nitidamente que suas montagens são sempre muito bem feitas e estudadas, você costuma pesquisar muito antes de montar um aquário novo?
Bruno Isaías: Não, jamais ... a coisa vai fluindo naturalmente e tem muitas mudanças após a montagem feita. No passar dos anos fui acumulando alguns materiais de hardscape e vou usando e trocando ... as pedras verdes "snakerocks" por exemplo, passaram do aqua de discos para o de jumbos ... as pedras marrons saíram do plantado e foram para o de discos. Há uma interação eventual entre os aquários também.


Aquaflux: Você tem e já teve belos aquários, entre esses atuais e passados, se você tivesse que escolher seu preferido qual seria e porque?
Bruno Isaías: É difícil falar em preferido ... todos tem sua própria "personalidade" e história ... Acho que o aquário de discos em algumas fases foi sempre o que mais agradou ao olhar.


Aquaflux: Muitas pessoas reprovam o uso de peixes menores como complemento na alimentação de peixes jumbos. Como voce tem aquário com peixes jumbo, é a favor desse tipo de alimentação e que vc tem a dizer sobre o assunto?
Bruno Isaías: Pessoalmente acho arriscado usar peixes menores como alimento de forma constante. A não ser que você mesmo os crie, é sempre uma possibilidade de causar algum tipo de doença, mas alguns peixes, especialmente primitivos, tem que ser acostumados a pegar ração porque no início simplesmente não a aceitam. Até agora não vi nenhum peixe não acostumar a pegar ração.

Autor: Equipe Aquaflux (15/10/2012)
Esta entrevista foi lido 6323 vezes.
Gostou desta entrevista e deseja publicar em seu website, blog ou outro meio de divulgação?
Entre em contato com nossa equipe e solicite uma autorização.

O aquarismo não é uma ciência exata, portanto estamos sempre abertos a comentários, adições e alterações, fique à vontade para nos ajudar a divulgar e ampliar o hobby.

Aquaflux Aquarismo e Aquapaisagismo © 2008 / 2015
Desenvolvido pela Adivision Websolutions
Aquariumrank.com - Ranking the Top Aquarium Sites on the Internet