FICHAS DE INVERTEBRADOS MARINHOS
Tridacna maxima

Tridacna maxima

Tridacna maxima

Máxima clam

Cardidae

Em águas relativamente rasas do Indo-Pacífico

Extremamente pacífico, existem várias possibilidades de peixes e invertebrados capazes de incomodar o crescimento pleno desta espécie. Um cuidado muito especial em relação a algumas espécies como peixes anjos, borboletas e paguros, que podem ferir de forma grave seu manto.

8.1 a 8.4

-

8.0 a 10.0

25 a 27 ºC

Pode chegar a 30 cm.

Basicamente, esta espécie recebe mais de 90% de sua alimentação e, consequentemente, nutrição através de simbiose com a alga zooxanthellae. Uma excelente iluminação é um quesito obrigatório para manter esses impressionantes animais de forma plena no aquário.

Difícil, o criador deve ter uma estrutura compatível para que os animais possam se desenvolver de forma plena. Um aquário ou tanque de aproximadamente 2.000 litros é a litragem mínima absoluta para o desenvolvimento das larvas. Além disso, vamos utilizar quatro recipientes com aproximadamente 30 litros cada, que podem ser plástico ou vidro. Classificaremos os recipientes como R1a, R1b, R2a e R2b para o perfeito entendimento do passo-a-passo.

Encheremos os recipientes com água salgada, previamente preparada, seguindo os parâmetros ideais já descritos. Devemos ter duas tridacnas para o procedimento, por que, apesar de serem hermafroditas, a reprodução só é possível com o cruzamento de espécies. Ou seja, devemos misturar gametas masculinos e femininos da mesma espécie, mas de indivíduos diferentes.

Enchemos os quatro recipientes com água salgada, colocamos uma tridacna no recipiente R1a, e outra no R2a, e aplicamos uma injeção de 1 ml de serotonina na gônoda de cada animal. Em alguns minutos as tridacnas irão, inicialmente, liberar os gametas masculinos, que aparentam uma espécie de fumaça. Isso levará alguns minutos.

Assim que pararem de liberar os gametas masculinos, devemos, com cuidado mas rapidamente, transferirmos a tridacna do recipiente R1a para o recipiente R1b, e transferirmos o animal do R2a para o recipiente R2b. Em poucos instantes os animais começam a liberar os gametas femininos, que aparentam pequenas esferas vermelhas ou alaranjadas. Isso levará alguns minutos.

Agora, o detalhe do cruzamento de espécies. Devemos retirar 5 ml do recipiente R1a e adicionar no R2b para que dessa forma consigamos o cruzamento de espécie. Da mesma forma retiramos 5 ml do recipiente R2a e adicionamos no recipiente R1b, desta forma teremos milhares de óvulos fecundados, e devemos transferir os óvulos que estarão nos recipientes R1b e R2b para um tanque ou aquário com pelo menos 2.000 litros. Esse aquário ou tanque deve ter aeração interrupta, e em aproximadamente seis dias ocorrerá o que chamamos de metamorfose, quando os animais estarão prontos para desenvolver seu crescimento pleno.

No 4º e 5º dias, devemos oferecer zooxantelas para as larvas, e esse é o procedimento mais delicado da criação. Normalmente, grandes produtores de tridacnas sacrificam um animal, e utilizam seu manto, que é riquíssimo em zooxantelas. Moem e misturam em água salgada, oferecendo às larvas. No nosso caso, devemos cortar um pequeno pedaço do manto de uma das tridacnas e, e imediatamente, usar uma solução de Iodo estabilizado e iodeto de potássio no ferimento, para evitar infecção e morte do animal. Não preciso dizer que é um procedimento arriscado, e o criador só deve fazer o procedimento se tiver técnica para tanto.

Um remédio vendido no Brasil que contém esses elementos mencionados é o Lugol. Depois do sexto dia, os animais estarão se desenvolvendo normalmente. Não existe a necessidade de interferência por parte do criador. A iluminação pode ser natural ou artificial, a taxa de mortalidade é muito alta nesse período. Pode passar dos 70%, mas a quantidade de larvas é tão grande que, em média, teremos no mínimo 500 animais, mesmo com essa taxa de mortalidade.

Tridacnas são hermafroditas.

Tridacnas maxima são muito procuradas em lojas especializadas, são animais relativamente fáceis de cuidar, mais exigem parâmetros perfeitos. O índice de cálcio deve estar entre 400 e 450 meq/l. O magnésio é outro parâmetro fundamental para o perfeito desenvolvimento, índices ideais 1250 – 1380 ppm.

Curiosidades: A tridacna não possui a mesma capacidade de se fixar a uma rocha, como muitos corais. Em vez disso, o animal possui uma espécie de filamento chamado de Bisso ou Byssus, que é composto de uma estrutura molecular fibrosa, normalmente produzida por bivalves para sua sua fixação. Depois de fixada, qualquer coisa que force ou danifique o Bisso poderá causar um dano ou ferimento, e muito provavelmente, perderemos a tridacna.

A capacidade de fechar abruptamente, quando desprovidos de luz, pode ser uma evolução em relação á capacidade de defesa contra predadores. Os seres humanos são o principal predador desses animais. Como vivem em águas rasas, são consumidas como ostras comuns por populações nativas, que utilizam o brilho do sol para localizar as tridacnas, que brilham naturalmente quando irradiadas pelo mesmo.

MOFIB

Experiência adquirida

Ficha técnica desenvolvida por: Denis Cetera
Esta ficha foi visualizada 2466 vezes.

Gostou desta ficha e deseja publicar em seu website, blog ou outro meio de divulgação?
Entre em contato com nossa equipe e solicite uma autorização.

Você pode ajudar a complementar e/ou corrigir informações desta ficha.
Utilize o nosso formulário de contato. A comunidade Aquaflux agradece.

Em nossas fichas só utilizamos fotos com as devidas autorizações ou com licença Creative Commons.

Aquaflux Aquarismo e Aquapaisagismo © 2008 / 2015
Desenvolvido pela Adivision Websolutions
Aquariumrank.com - Ranking the Top Aquarium Sites on the Internet